Um filme dirigido por Murilo Salles com Leandra Leal.
Baseado na obra de Clarah Averbuck.

Trechos das resenhas mais interessantes que já saíram sobre "Nome Próprio":

"Numa trama em que o computador, mais do que utilitário, é personagem, Nome Próprio (futuro concorrente no Festival de Gramado) ganha visceral atuação de Leandra Leal. Aloprada e sem pudores, ela tira do lugar-comum a escritora que imprime sua literatura até nas paredes."
(Ricardo Daehn, Correio Braziliense)

"Murilo Salles (trabalhando aqui com o digital) filma bem como poucos e Leandra Leal tem uma atuação literalmente assombrosa." (José Geraldo Couto, Folha de S. Paulo)

2 comentários:

Caesar Moura disse...

O que me trouxe aqui não foi Leandra Leal nua, mas Leandra Leal metida numa camisa do Flamengo filipetando. Sempre achei que os atores da minha geração e de Leandra incorriam no mesmo erro: Esqueciam que Fernanda só é Montenegro pq trabalha há mais de 50 anos. Então, sempre fui contra querer agir como "achamos q é ser Montenegro" quando ainda se tem tanto a fazer. Ver Leandra filipetando, por estratégia de marketing ou não, fez me sentir menos só. Aí, li a crítica do filme e descobri do q ele trata. Desde 1999 venho escrevendo para teatro no Rio com o olhar na Internet, no pardoxo de estarmos com todo mundo e ainda assim, sós. E mais uma vez me senti menos só. Agora voltarei aqui pelo filme que assistirei neste fim de semana.Vida longa!

Abraços,
Caesar.
www.camapaoeacucar.blogspot.com

Nome Próprio disse...

Temos que vestir a camisa que acreditamos, do trabalho, dos nossos sonhos e até mesmo a do Flamengo se for o caso. Essas camisas são as únicas coisas que podem cobrir e aquecer o nosso vazio, a nossa solidão.

Músicas de Camila